Quem vai fiscalizar a CPI da séria acusação da advogada Catta Preta?

 

A Operação Lava Jato, que avança indicando ser a versão brasileira da Operação “Mãos Limpas”, da Itália, vem sendo torpedeada, em público e no reservado, de todas as maneiras, por ter chegado aonde ninguém, neste País, chegou a imaginar um dia. Continuar a ler Quem vai fiscalizar a CPI da séria acusação da advogada Catta Preta?

É escandalosa a pressão do governo sobre o Tribunal de Contas da União

 

Na campanha eleitoral, a presidente Dilma Rousseff acusava o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, para atacar o seu adversário, o senador Aécio Neves, de ter tido um “engavetador da República”, ao contrário de um procurador da República. E, com isso, dizia que, “no nosso governo” – dela e de Lula -, a investigação era livre, com punidos na cadeia. Continuar a ler É escandalosa a pressão do governo sobre o Tribunal de Contas da União

Na visão de Dilma, Lava Jato está ajudando a derrubar o PIB. Incrível!

 

Ao tempo de Lula na Presidência da República, o Tribunal de Contas da União chegou a pedir a paralisação de obras públicas, realizadas por essas tais empresas da Lava Jato, pela constatação de irregularidades. E o que fez Lula, diante de tal advertência? Disse que não iria parar o Brasil, por conta do que estava a dizer o TCU. Continuar a ler Na visão de Dilma, Lava Jato está ajudando a derrubar o PIB. Incrível!

A cidade tem bons nomes, o que vai ajudar nas mudanças partidárias

 

Terminado o recesso parlamentar de julho, o mês de agosto vai apresentar novidades políticas, notadamente, no campo das investigações da Operação Lava Jato. Porém, o que vamos tratar aqui são das mudanças na legislação eleitoral, mais propriamente, na tal janela, de trinta dias, para mudança de partido, sem perda de mandato. Continuar a ler A cidade tem bons nomes, o que vai ajudar nas mudanças partidárias

Mais que a participação, em si, do DEM, são os dois nomes que o partido possui

 

O deputado Plauto Miró Guimarães Filho, por ser a figura de maior expressão do DEM, tem sido o sustentáculo desse partido, aqui na cidade, e contribuído para a sua expressão em termos de Paraná. Antigo PFL – esse nome deveria ter sido mantido -, o DEM é o único endereço partidário de Plauto, em toda a sua vistosa carreira política. Continuar a ler Mais que a participação, em si, do DEM, são os dois nomes que o partido possui

O DEM, no papel de protagonista, tem muito a oferecer à cidade

 

A um ano antes do início do processo eleitoral da sucessão municipal, podemos vislumbrar um interessante quadro de candidatos, que vai assegurar ao eleitor um voto de qualidade, distante, por exemplo, da situação havida no segundo turno do pleito de 2012, entre as candidaturas dos deputados Marcelo Rangel e Péricles de Holleben Mello. Continuar a ler O DEM, no papel de protagonista, tem muito a oferecer à cidade

Plauto quer que o DEM se assuma como direita e que dispute eleição municipal

 

Plauto Miró Guimarães Filho está cumprindo um histórico sétimo mandato consecutivo de deputado estadual, tendo, na metade de seu segundo mandato, disputado a Prefeitura Municipal, em que o vitorioso foi o então colega de Assembleia Legislativa Jocelito Canto. Depois de 96, Plauto se fixou na carreira de deputado estadual, com seguidas reeleições. Aliás, ninguém antes dele e, muito dificilmente depois, haverá de repetir essa vistosa carreira de vinte e cinco anos, a caminho de completar vinte e oito, de maneira ininterrupta.

Plauto se iniciou na política como oposição, em 90, ao governo de Roberto Requião. Depois, oito anos como situação com Jaime Lerner no Palácio Iguaçu. Outros oito anos como oposição a Requião e, de novo, situação, agora com Beto Richa, em seu segundo mandato no Palácio Iguaçu. Nesse tempo todo, Plauto nunca titubeou em sua fidelidade, primeiro, ao PFL e, depois, ao DEM, substituto do PFL. É um exemplo de homem público com posição declarada. Exemplo também de fidelidade política. No auge da discussão emocional da venda da Copel, em que Jaime Lerner viveu instantes delicados, Plauto se manteve ao lado do governador. Agora mesmo, nas circunstâncias de conflito aberto do governador Beto Richa com os servidores públicos do Estado, especialmente os professores, Plauto continuou, sem pestanejar, ao lado de seu amigo, quase irmão Beto Richa.

Decidido a não disputar mais a Prefeitura Municipal, Plauto está a preparar o seu partido, o DEM, para ser protagonista no embate eleitoral do ano que vem, em Ponta Grossa e em municípios da região.

Mesmo sinalizando a possibilidade de deixar a militância partidária, numa eventualidade de ida para o Tribunal de Contas do Estado, o deputado Plauto Miró Guimarães Filho está a adotar uma bonita postura de homem público responsável e comprometido com os problemas de sua gente, ao promover, de certa forma, uma refundação do DEM, com uma orientação firme a seus comandados demistas, no sentido de que adotem um discurso afirmativo de direita, proclamando o DEM como partido de direita e que estaria chegando a hora de apresentar um candidato a prefeito, com uma proposta de direita, diante da evidência do fracasso das esquerdas, tanto por aqui, quanto no cenário nacional.

E a decisão já teria sido tomada, no sentido de que, em Ponta Grossa, o DEM vai ter candidato próprio, vai ser cabeça de chapa, vai disputar a sucessão municipal, com um discurso afirmativo de direita, em que o Estado, entendido assim a figura institucional do Poder, em seus três níveis, deixe de ser paternalista com o dinheiro público, que é finito, e passe a ser protagonista de uma ação de governo aliado à iniciativa privada, num projeto de estímulo à produção e que faça a parte que lhe compete na priorização de ações de infra-estrutura. Um Estado forte e produtivo que promova ações que contemplem oportunidades consistentes de trabalho, como instrumento de efetiva e perene dignidade, sem o discurso mirabolante da mentira e das promessas vazias, com políticas paternalistas, que não se sustentam ao longo do tempo, porque até o dinheiro público, que parece bastante, tem um limite.

Em resumo, o deputado Plauto já deu ordem unida sobre a presença do DEM na disputa eleitoral, já ditou o rumo do discurso do partido e, agora, sem muita preocupação vai administrar o processo sereno da definição do nome do candidato, com a tranqüilidade de dispor, nas fileiras do DEM, de dois grandes nomes, por coincidência, dois ex-secretários municipais, Álvaro Scheffer e João Ney Marçal Filho.

Interessante, mesmo, é constatar que o DEM deverá ocupar, por inteiro, o espaço da chamada terceira via. Quem sabe, inclusive, com uma chapa reunindo os dois nomes do partido.

O aparecimento do nome de João Ney alimenta a discussão da eleição de 2016

 

A eleição municipal só vai acontecer no ano que vem e, se as novas regras forem confirmadas, dentro de um período reduzido de campanha de 45 dias. E, ainda, com uma janela, de trinta dias, para acomodação partidária, ou seja, mudança de partido de quem estiver em situação incômoda em seu atual partido. Continuar a ler O aparecimento do nome de João Ney alimenta a discussão da eleição de 2016

Plauto não será candidato a prefeito. Mas, avisa que tem nomes para a vaga

 

O deputado Plauto Miró Guimarães Filho, que ficou com a imagem chamuscada no episódio do camburão dos deputados da base de apoio ao governador Beto Richa, no confronto com servidores públicos para permitir que Beto avançasse no dinheiro da Paraná Previdência, já mandou avisar que não alimenta projeto de uma candidatura sua a prefeito, Continuar a ler Plauto não será candidato a prefeito. Mas, avisa que tem nomes para a vaga

Profissionais da Justiça enfrentam profissionais do crime e da corrupção

 

O Congresso Nacional, por um bom número de seus integrantes, virou um grande balcão de negócios, onde o que menos conta é o interesse público, as carências sociais, o drama da sociedade brasileira. É um processo que vem de longe, agravado com o período do regime militar e revigorado no restabelecimento do poder civil, já no primeiro governo eleito pelo voto popular. Continuar a ler Profissionais da Justiça enfrentam profissionais do crime e da corrupção