fbpx

Se os políticos da cidade aprenderam a conviver em harmonia, que assim seja

O deputado Plauto Miró Guimarães Filho, não apenas carrega e honra o nome de seu saudoso pai, ao contrário de outros, por aí, como aprendeu com ele a fazer política, sem ter inimigos. Por conta das circunstâncias, tem adversário; inimigo não. Fazendo justiça em carregar o nome do saudoso pai, Plauto Filho é o retrato vivo do homem público sereno, equilibrado, de boa paz, o ex-secretário do Interior e Justiça do primeiro governo de Ney Braga e ex-prefeito de Ponta Grossa. O deputado Plauto Filho pode não compor, hoje, o mesmo grupo do prefeito Marcelo Rangel, a quem apoiou em 2012, na vitória para prefeito, e em 2016, na reeleição, e de seu irmão, o deputado federal e secretário de Infraestrutura e Logística Sandro Alex, mas, nem de longe, é inimigo de qualquer um dos dois. Como não é inimigo do ex-deputado Jocelito Canto, nem do ex-deputado Péricles de Holleben Mello, mesmo pertencendo a um partido político de direita, como é o DEM, que nada, rigorosamente nada, tem a ver com o PT, de Péricles. Mas, entre ele e Péricles, além de amizade, há um respeito recíproco.

Jovem, muito jovem, ingressou no PFL, fundado e dirigido por seu pai. Quando do falecimento do pai, ele assumiu o comando do partido na cidade, se valendo do que havia aprendido com o pai, na arte de fazer política. Ganhou sua primeira eleição para deputado estadual em 1990, reeleito em 94, 98, 2002, 2006, 2010, 2014, 2018. Nessa trajetória que está batendo na casa dos 30 anos, só perdeu uma eleição, para prefeito, em 1996. Entretanto, ganhou em 88, para prefeito, apoiando Pedro Wosgrau Filho; em 92, apoiando Paulo Cunha Nascimento; em 96, foi candidato e  perdeu. Mas, em 2000, por incrível que pareça, ganhou com Péricles de Holleben Mello, do PT; em 2004, venceu, de novo, com Pedro Wosgrau Filho, que viria a se reeleger prefeito em 2008, com Plauto ao seu lado. E, para encerrar, apoiou em 2012 e 2016 Marcelo Rangel. Um belo histórico de vitórias, aqui no âmbito municipal.

É por isso que o surgimento da figura do deputado Hussein Bakri, que é de União da Vitória, e que hoje é o líder do governo na Assembleia Legislativa, por indicação do governador Ratinho Júnior, no cenário da política pontagrossense ensaiando um confronto com o deputado Plauto Miró Guimarães Filho chama a atenção, por representar um fato novo, muito novo e muito interessante, no jeito de se fazer política, por aqui. Hussein, por sinal, aportou, por aqui, sob as bênçãos do prefeito Marcelo Rangel e de seu irmão, deputado federal Sandro Alex, numa negociação política em que Sandro teria o espaço de União da Vitória para fazer campanha para deputado federal, enquanto Hussein teria as portas abertas em Ponta Grossa, para cuidar de sua vida, como deputado estadual. Nunca se viu qualquer coisa parecida, no passado, em relação a presença de um candidato de fora, aqui na cidade.

Mas, a despeito disso, o deputado Hussein Bakri, na condição de líder do governo, e de um governo cujo governador teve o pronto apoio de Plauto, desde a sua largada para o Palácio Iguaçu, provocando uma dissidência dentro de seu próprio partido, o DEM, não pode querer medir forças com Plauto, aqui na cidade, nem desconsiderá-lo em entrevista a um jornal da cidade, Diário dos Campos, anunciando que vai fazer obras aqui, num entendimento com o prefeito Marcelo Rangel e a deputada Mabel Canto, numa desconsideração pública ao deputado da cidade, que está em seu oitavo mandato consecutivo. e que apoia o governo de Ratinho Júnior

Se o deputado de União da Vitória quer fazer política aqui, pode até fazer, desde que proceda com respeito à nossa gente e à nossa História.

Um comentário em “Se os políticos da cidade aprenderam a conviver em harmonia, que assim seja

  • fevereiro 22, 2019 em 10:27
    Permalink

    Parabens Adail pela matéria que fala da vida Politica do Deputado Plauto Miró Guimarães Filho, um abraço.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *