Joice Hasselmann anuncia que vai propor o fim do recesso de julho

A deputada federal Joice Hasselmann, dona de mais de um milhão de votos, promete fazer muito barulho em Brasília, especialmente, na linha de frente de combate aos adversários e críticos do presidente Jair Bolsonaro. Ela já avisou, por exemplo, que a ainda senadora, mas deputada federal, a partir de sexta-feira, Gleisi Hoffmann, que a aguarde, pois nenhum atrevimento dela contra Bolsonaro ficará sem pronta resposta. Gleisi não vai deitar e rolar, como sempre fez no Senado, em defesa de Lula, de Dilma, e de crítica a Michel Temer e a Jair Bolsonaro. Gleisi, a partir de sexta-feira, terá quem a enfrente, quem a coloque no seu devido lugar, num enfrentamento que haverá de fazer sucesso na Câmara dos Deputados. Só que Gleisi não tem carreira para enfrentar Joice, que é bem articulada e que se preparou para atuar em Brasília. Não é uma novata qualquer. É uma jornalista preparada, forjada no combate e nas acusações contra a roubalheira do PT, contra Lula, contra Dilma.
Joice já anunciou, por exemplo, que apresentará propostas para mudar a data da posse do presidente da República e dos deputados e senadores. Mais, quer acabar, também com o recesso do mês de julho, tanto para membros do Poder Legislativo, quanto para os integrantes do Poder Judiciário. Ou seja, a valente jornalista está avisando que vai combater a corrupção, que vai combater privilégios, que vai combater coisa errada, como a data de 1º de janeiro para a posse do presidente da República e dos governadores estaduais. E também mudar a data da posse dos deputados e senadores, que, da eleição à posse, ficam no aguardo durante quatro longos meses.
A Constituinte de 1988, cantada em prosa e verso como tendo produzido a Constituição Cidadã, não foi tão bem assim. Tanto que a chamada Constituição Cidadã, hoje, é uma verdadeira colcha de retalho, tantas as emendas propostas e aprovadas. Como as que estão sendo anunciadas pela deputada eleita Joice Hasselmann, que devem ser aprovadas, até por serem sensatas e oportunas.
Não se compreende como os constituintes permitiram, e consentiram, que a posse do presidente da República se dê no primeiro dia do ano, dificultando a presença de presidentes de países importantes, eis que é uma data universal de comemoração, de festejos pela chegada do novo ano. E Joice sugere 15 de dezembro, ou cinco de janeiro. Melhor cinco de janeiro, eis que dezembro é um mês de correria, de compras, de festas. E trazer para essa data também a posse dos deputados e senadores. Os congressistas tomam posse, pela manhã, enquanto o presidente da Republica e os governadores tomam posse, à tarde..
Em relação ao recesso de julho, igualmente, a deputada de mais de um milhão de votos está coberta de razão. É bom lembrar que esse recesso de julho é do tempo em que o Rio de Janeiro era a Capital da República. E deputados e senadores permaneciam no Rio durante dois, três meses, sendo rara a ausência de parlamentar na Capital da República. Por conta disso, convencionou-se que haveria um recesso em julho para que deputados e senadores pudessem manter contato com suas bases eleitorais, no meio do ano. E, aí, desde que Brasília virou a Capital e o presidente Juscelino Kubitschck, para vencer a resistência de deputados e senadores que não queriam se mudar do Rio para Brasília, teve a ideia de que bastaria o Congresso Nacional funcionar de terça a quinta-feira, com deputados e senadores podendo visitar suas bases, todo o final de semana. Todos gostaram da ideia, que perdura até hoje.
Joice vai levantar discussões polêmicas, mas sensatas e necessárias.

Comente