Aliel Machado, na mudança de partido: ou é muito inteligente, ou é muito ingênuo

O mês de março já começou, e a grande primeira mudança anunciada, com reflexos diretos no panorama da política pontagrossense, é a saída do deputado federal Aliel Machado da Rede Sustentabilidade para ingressar no PSB. Aliel, que faz a sua segunda mudança partidária em três anos, dá mostras de se deixar levar muito mais pelo ambiente de Brasília, do que pela realidade de suas bases partidárias.

Em Brasília, ele dá a impressão de ser levado pelas mãos do amigo Alessandro Molon, do Rio de Janeiro. Alessandro pertencia a Rede e foi para o PSB, assinando, com Aliel, a nova contratação de estadia partidária.
Ao deixar o PCdoB, partido pelo qual foi eleito vereador e se elegeu deputado federal, Aliel teve todas as oportunidades para ingressar no PMDB, pelas mãos do senador Roberto Requião e do então vice-presidente da República Michel Temer. Com muito mais vantagem política, especialmente, pelo projeto da candidatura a prefeito, em 2016. Mas atraído por Molon, preferiu assinar a ficha de filiação a Rede Sustentabilidade, pouco se dando conta do fato clarividente de a Rede não possuir a menor organização partidária no Paraná. Um partido inviável, pois. Como, aliás, agora se dá conta de tal realidade, mas fazendo uma nova e, ao que parece, equivocada mudança.
O PSB do Miguel Arraes não existe mais, porque Miguel Arraes morreu. Esse discurso de que o PSB quer retomar o seu projeto original de esquerda socialista é pura conversa fiada. Em São Paulo, por exemplo, o PSB apoia o governo do PSDB, eis que o vice-governador do Estado Márcio França, pertence aos seus quadros. E vai apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República. Onde fica o projeto de esquerda socialista?
No Paraná, o PSB, dirigido por Severino Araújo, virou partido de centro, eis que o próprio Severino é segundo suplente do senador Álvaro Dias e se mantém como aliado do governador Beto Richa. E, pelo andar da carruagem, deve apoiar a candidatura ao Palácio Iguaçu do deputado Ratinho Júnior. E Aliel Machado vai estar nesse palanque?
Em Ponta Grossa, a professora Elisabeth Silveira Schmidt, vice-prefeita, pertence ao PSB. Ela e o prefeito Marcelo Rangel derrotaram há menos de dois anos o próprio Aliel Machado e seu vice Elizeu Chociai. Vão estar juntos na campanha eleitoral deste ano? Elisabeth vota em Aliel? Aliel vota em Ratinho Júnior? Ou, esse jovem deputado é muito inteligente e está enxergando coisas à luz do dia que a gente não consegue enxergar, ou é muito ingênuo. Talvez, tenha se impregnado, em demasia, do artificialismo de Brasília. Quem sabe, ainda, se encantado demais pelo fascínio de seu líder político, o deputado carioca Alessandro Molon. O PSB do Rio de Janeiro não tem nada a ver com o PSB do Paraná.
Já havíamos tratado desse assunto, imaginando, a partir da racionalidade, que o deputado Aliel Machado deixaria a Rede e assinaria a ficha do PMDB. É que, no PMDB, ele poderia reeditar a dobradinha com seu amigo e padrinho deputado Péricles de Holleben Mello, do PT, com reais vantagens para os dois. No PSB, essa dobradinha será impossível. Ainda, assim, Péricles desejou boa sorte a Aliel. Muito mais por educação e amizade.
De outro lado, a vice-prefeita Elisabeth Schmidt já fez a proclamação de que o PSB, neste pedaço de chão do Brasil, é governo. Não disse, por desnecessário, mas o seu voto para deputado federal, no primeiro domingo de outubro, pertencerá ao deputado Sandro Alex, do PSD.
Então, inteligência ou ingenuidade?…

Um comentário em “Aliel Machado, na mudança de partido: ou é muito inteligente, ou é muito ingênuo

  • março 4, 2018 em 22:40
    Permalink

    Talvez nenhuma coisa nem outra. Apenas falta de coerência.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *