É preciso insistir nessa campanha do recadastramento eleitoral

Tratei desse tema na segunda-feira e volto a insistir, nesta sexta-feira. O recadastramento eleitoral é tão importante, quanto o cadastramento, isto é, quanto ao registro que fizemos, ao tempo de nossos 18 anos, hoje, a partir dos 16. Tão importante quanto ter o documento do Exército, a carteira de identidade, o cadastro da Receita Federal, o famoso CPF, a Carteira Profissional de Trabalho,a carteira de motorista. Esse conjunto todo, que bem poderia estar num único impresso, formaliza nossa cidadania, nos dá identidade, nos credencia na sociedade.
O recadastramento eleitoral, como sabemos, é um avanço, pois estamos nos valendo do extraordinário desenvolvimento tecnológico, com o que a Justiça Eleitoral do Brasil se credencia na modernidade, na agilidade do processo eleitoral e na garantia da eficiência e retidão de seu proceder.
Pois, bem, sejamos práticos no apelo que volto a fazer, em cima do caso específico, aqui de Ponta Grossa, para que não corramos o menor risco quanto a perdermos a condição de Município com direito a segundo turno na eleição de prefeito, na eventualidade de não conseguirmos nesse recadastramento, assegurarmos o contingente de mais de 200 mil eleitores. Quem não se recadastrar, deixará de ser eleitor, porque o velho título de eleitor não mais se prestará como documento. Se a conquista, na década de noventa, do direito ao segundo turno, pelo alcance do número mínimo exigido pela Justiça Eleitoral, foi produto de uma intensa mobilização da comunidade, que o mesmo esforço se repita, em nível de convencimento próprio de cada um de nós, na mobilização dos que nos rodeiam, dos que trabalham conosco, dos que constituem nosso grupo familiar.
Temos, à nossa disposição, esse mundo fantástico da Internet, que precisa, sim, ser utilizado para as causas do bem, da construção, da edificação, da politização. Pois, que cada pontagrossense possa fazer a sua parte, nessa questão relevante do recadastramento eleitoral. Pelos números conhecidos, faltam 50 mil pessoas para renovar o cadastro na Justiça Eleitoral. É bastante gente.
Vale repetir: A dona de casa já indagou a sua colaboradora, a famosa e hoje valorizada empregada doméstica, se ela já fez o seu recadastramento? E se não fez, a dona de casa irá incentivá-la, cedendo horário de trabalho para que ela vá ao Fórum fazer o novo título? Na loja, na indústria, no escritório, o patrão já fez esse papel, que lhe cabe também?
Se cada um fizer a sua parte, haveremos de avançar, bem mais, que a marca dos 200 mil eleitores. A propósito, você, que está lendo este meu artigo, já fez seu recadastramento?…

Comente