No último ano do mandato, Sandro “cobra” Reforma Tributária

O deputado federal Sandro Alex distribuiu notícia, através de seu gabinete, registrando pronunciamento que teria feito, na quinta-feira, dizendo que o “Parlamento tem o dever de fazer uma reforma tributária justa, para todos os brasileiros”. É o tipo do proceder da demagogia,  porquanto, abordar um tema dessa natureza no primeiro semestre do último ano de mandato beira a irresponsabilidade, eis que estamos diante da Copa do Mundo e do processo eleitoral. Que governo do mundo cuidaria de uma reforma tributária, em ano com agenda de Copa do Mundo e eleição para presidente da República? No mínimo, o deputado está sendo oportunista, porquanto, um tema de tamanha complexidade é assunto para o primeiro semestre do primeiro ano de mandato. Não, agora.

A seguir, a matéria fornecida pelo gabinete do parlamentar:

Sandro Alex cobra reforma tributária

Por: Nadja Rocha

O vice-líder da Minoria, deputado Sandro Alex (PPS-PR), em pronunciamento, nesta quinta-feira, disse que o Parlamento tem o dever de fazer uma reforma tributária “justa” para todos os brasileiros. “Esta Casa tem que assumir este compromisso com a sociedade. Essa luta é de todos nós que almejamos um país justo e com desenvolvimento econômico e social”, conclamou.

Ao criticar a pesada carga tributária, o parlamentar afirmou que os brasileiros precisam trabalhar cinco meses do ano somente para cumprir suas obrigações com o Leão, mas, infelizmente, ainda não se beneficiam do produto da arrecadação. “Os serviços públicos continuam caóticos. Basta ver o estado em que se encontram a saúde, a segurança, a educação e os transportes”, afirmou.

Ele reforçou as críticas citando dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), que mostram que, apesar de ter uma carga tributária de cerca de 36% do PIB (Produto Interno Bruto), o Brasil é o país que proporciona o pior retorno dos valores arrecadados em prol da população.

De acordo com Sandro Alex, o governo gasta muito, principalmente com o pessoal, cujas despesas com a previdência consomem 12% do PIB, quase o dobro do que seria esperado da estrutura etária do país. Só para pagar os servidores públicos ativos, aposentados e pensionistas são necessários mais de 160 bilhões de reais. “O segundo grande ralo pelo qual escoam os recursos públicos são os juros da dívida pública, que abocanham 5,7% das riquezas produzidas no país. “Isso significa que gastamos anualmente mais de 14 vezes o que é gasto com a Bolsa-Família apenas para cumprir o compromisso com os juros e encargos da dívida pública”, acrescentou.

Na avaliação do parlamentar, os mais pobres são que sofrem com a pesada carga tributária. Essa é a face mais cruel dessa estrutura tributária, que mina os valores democráticos, atenta contra o bom senso e ofusca os suados avanços”, finalizou Sandro Alex.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *