A eleição deste ano pode se prestar a um teste sobre o voto daqui para o candidato daqui

Pontas Grossa ficou por vinte anos sem deputado federal, não por falta do eleitor pontagrossense, mas, sim, por culpa das direções partidárias locais que não tiveram competência para apresentar nomes competitivos, capazes de atrair a simpatia do eleitor. Nem, por isso, houve um direcionamento de votos daqui para candidatos de fora, à exceção do falecido Affonso Camargo que, desde quando se candidato a deputado federal, pela primeira vez, em 94, sempre obteve índices especiais de votação por aqui.

Depois do ex-prefeito Otto Cunha, em 90, foi a vez do radialista Sandro Alex, nas eleições de 2010, ser eleito com forte votação local para a Câmara Federal, numa dobradinha fechada com seu irmão, o então deputado estadual Marcelo Rangel, que se reelegeu, pela primeira vez, naquele ano.

Não custa lembrar que, na campanha de 2010, o ex-vereador João Barbiero montou um vistoso escritório de campanha eleitoral na Rua Paula Xavier, de apoio à candidatura ao Senado de Gleisi Hoffmann e à reeleição do deputado federal Fernando Giacobbo, de Cascavel. Naquele ano, Barbiero pertencia ao PR, partido presidido no Paraná por Giacobbo. E não havia necessidade, porquanto Giacobbo é um político de vistoso prestígio na região Oeste do Estado, pelo excepcional trabalho que desenvolve em favor de sua gente. Mas, Barbiero, em 2010, quebrou o espírito da campanha do “santo de casa é que faz milagre”, com tal atitude.

Ironicamente, neste ano, João Barbiero haverá de sair candidato a deputado federal e, desde já, vem defendendo o espírito daquela campanha da Associação Comercial e Industrial, ao tempo de Márcio Pauliki em sua presidência, do “santo de casa é que faz milagre”, que é uma versão da campanha que sempre defendemos do “voto daqui para o candidato daqui”.

E o empresário Márcio Pauliki, que vem se revelando um verdadeiro “semeador” de candidaturas à Câmara Federal, terá o dever de dar exemplo em prestigiar os postulantes locais à Câmara dos Deputados, na sua condição de candidato a deputado estadual.

Se os nossos candidatos tiverem juízo, a cidade poderá compor uma bancada de 4 a 5 deputados estaduais e de dois a três deputados federais. E isso tudo será possível, se a campanha for um jogo limpo, sem traições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *