João Carlos vai fortalecer o governo de Beto na área do ensino superior

O professor João Carlos Gomes, reitor da Universidade Estadual de Ponta Grossa, assume, às 15 horas de hoje, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, por convite do governador Beto Richa. É o primeiro reitor de nossa Universidade Estadual a virar secretário de Estado. É verdade que o professor Odeni Villaca Mongruel, que foi o segundo reitor de nossa Universidade Estadual, também foi secretário de Estado, mas em circunstância diversa. Deputado estadual, Odeni foi levado por Álvaro Dias para a Secretaria Especial da Habitação, em 87, quando Álvaro se elegeu governador do Estado, tendo ao final do governo, se transferido para a Secretaria do Trabalho e Assistência Social. Agora, o professor João Carlos Gomes renuncia ao seu terceiro mandato de reitor à frente da Universidade Estadual de Ponta Grossa para assumir a Secretaria do Ensino Superior do Estado. E o governador Beto Richa foi feliz na escolha, porquanto o professor João Carlos é um nome altamente qualificado para o cargo, eis que suas três históricas gestões à frente da UEPG constituem um marco no engrandecimento de nossa Universidade Estadual.
Continuar lendo João Carlos vai fortalecer o governo de Beto na área do ensino superior

O Márcio é o nome de Ponta Grossa para se revelar na política do Paraná

Já falamos no artigo anterior que Ponta Grossa, em matéria de desprestígio político, está para o Paraná, como o Paraná está para o Brasil.
Falando de Paraná, houve um tempo em que todo o ocupante do Palácio Iguaçu se considerava candidatável à Presidência da República. Ney Braga foi o que mais se aproximou do Palácio do Planalto, por ter sido o político de maior prestígio do Estado. Continuar lendo O Márcio é o nome de Ponta Grossa para se revelar na política do Paraná

CONVERSA DE “BRIMOS”

Parece mesmo que o governador paranaense não se entrosa ou não confia nos 30 deputados federais e três senadores que representam o Estado no Congresso Nacional. Esteve em Brasília e não chamou uma reunião da bancada do Estado para tratar de questão que se tivesse esse reforço teria mais impacto sobre as autoridades com quem se encontrou. Continuar lendo CONVERSA DE “BRIMOS”

O Márcio Pauliki é o nosso instrumento para uma ousadia histórica no ano que vem

Ponta Grossa, no campo político, está para o Paraná, como o Paraná está para o Brasil; ou seja, sem prestígio. Nós não temos voz, nem vez, no Paraná; e o Paraná nem tem voz, nem vez no Brasil. É verdade que, em termos de Paraná, temos três ministros na República – Gleisi Hoffmann, na Casa Civil; Paulo Bernardo, nas Comunicações; e Gilberto Carvalho, na Secretaria da Presidência da República. Ainda assim, não temos grandes obras, por aqui, que possam justificar a presença dos três ministros. Aliás, o governador Beto Richa vive se queixando da falta de apoio do governo federal. Também pudera, é um governador sem prestígio. Continuar lendo O Márcio Pauliki é o nosso instrumento para uma ousadia histórica no ano que vem

PEDÁGIO: AGORA VAI?

Para exigir o cumprimento dos contratos originais entre o governo do Estado e as concessionárias de pedágio, firmados em 1998, pelo então governador Jaime Lerner, uma Força-Tarefa foi criada oficialmente pelo Ministério Público Federal no Paraná. A partir desta semana ela sai do papel para iniciar suas atividades, com participação de membros do MPF de todo o Estado. Os procuradores da República no Paraná pretendem, além dos contratos iniciais, apurar também possíveis irregularidades nos aditamentos contratuais que acarretaram em supressão de investimentos e os chamados degraus tarifários. Continuar lendo PEDÁGIO: AGORA VAI?